Clamídia e gonorreia são responsáveis por cerca de 25% dos casos de infertilidade

9 de fevereiro de 2018

De acordo com a Organização Mundial de Saúde (OMS), a clamídia e a gonorreia são responsáveis por cerca de 25% dos casos de infertilidade. As duas Doenças Sexualmente Transmissíveis (DST) podem levar ao desenvolvimento da doença inflamatória pélvica (DIP), complicação que causa alterações tubárias nas mulheres e infecções na uretra nos homens – fatores de risco para uma gestação natural.

Marina Barbosa, ginecologista creditada pela Sociedade Brasileira de Reprodução Assistida (SBRA), alerta que essas doenças são mais comuns em adultos jovens, com múltiplos parceiros e que praticam sexo sem uso de preservativo. “Por isso, neste período de festas de Carnaval temos que reforçar o preservativo como mais uma arma de combate às DST. Assim, a pessoa pode se prevenir de passar pelos sintomas desagradáveis dessas doenças e preservar seu potencial de fertilidade”.

Doença Inflamatória Pélvica

No caso da mulher, quando a paciente apresenta bactérias no colo do útero, como clamídia e gonorreia, esses microorganismos podem subir para o corpo do útero, trompas e até mesmo ovários, caracterizando a doença inflamatória pélvica cujos sintomas podem incluir: corrimento, dor pélvica, febre, mal-estar e até septicemia.

“Essa ascensão pode ocorrer de forma espontânea, ou após manipulação no consultório médico. Durante a inserção de DIU, uma biópsia de endométrio ou curetagem, por exemplo. Isso leva à doença inflamatória pélvica, ou seja, infecção do endométrio, trompas uterinas, ovários e estruturas contíguas”, explica a médica.

A trompa uterina é o local onde ocorre o encontro do espermatozoide com o óvulo. Dessa forma, quando as trompas não estão funcionando adequadamente, a paciente pode evoluir para infertilidade.

“A inflamação dessas estruturas pode acarretar obstrução ou acúmulo de líquido dentro das tubas uterinas, chamado de hidrossalpinge. Ocasionalmente pode até ocorrer a fertilização na trompa, porém o embrião não é transportado adequadamente para dentro do útero. É o caso da gravidez ectópica, considerada de risco para a mulher”, ilustra a especialista.

Nos homens, a doença inflamatória pélvica ocorre quando a infecção por clamídia ou gonorreia leva à infecção do epidídimo, local onde o sêmen fica armazenado junto ao testículo. “Essa inflamação pode diminuir o número total de espermatozoides, além de alterar a capacidade de movimentação dos espermatozoides. Todos esses fatores afetam a fertilidade masculina”, conclui Marina Barbosa.

Clamídia

O que é?

Nome popular para a bactéria Chlamydia trachomatis, a DST mais comum no mundo todo, atingindo cerca de 5% da população adulta.

Principais Sintomas

Nas mulheres:

• Corrimento vaginal;

• Coceira vaginal;

• Sangramento vaginal fora do ciclo menstrual;

• Dor abdominal;

• Dor durante o sexo;

• Ardência ou dor ao urinar.

Nos homens:

• Ardência ou dor ao urinar;

• Saída de corrimento purulento pela uretra;

• Dor nos testículos;

• Inchaço do saco escrotal;

Atenção

Como nem todas as pessoas com clamídia apresentam sintomas, esses pacientes podem ter a infecção despercebida por vários anos, tornando-se fontes de infecção permanentes.

Gonorreia

O que é?

É a doença causada pela bactéria Neisseria gonorrhoeae, também conhecida como gonococo.

Principais Sintomas

Nas mulheres

Apenas 50% apresentam sintomas:

• Coceira vaginal;

• Disúria (ardência ao urinar);

• Dor durante o ato sexual;

• Corrimento vaginal;

• Sangramento vaginal fora do ciclo menstrual.

Nos homens

É comum que em 90% dos casos os pacientes apresentem os seguintes sintomas:

• Ardência ao urinar;

• Corrimento uretral (ou vaginal no caso das mulheres);

• Movimentos intestinais dolorosos;

• Coceira;

• Erupções;

• Hemorragias.

Atenção

Os fatores de risco para infecção por clamídia ou gonococo são: pessoas sexualmente ativas com idade inferior a 25 anos, novas ou múltiplas parcerias sexuais, parceiros com doenças sexualmente transmissíveis (DST), história prévia ou presença de outra DST e uso irregular de preservativo.

 

Por Júlia Carneiro
Conversa Coletivo de Comunicação Criativa

Fale Conosco

Preencha seus dados




Secretaria Executiva | SBRA
SCES Trecho 3, Conjunto 6, Sala 209 | Associação Médica de Brasília | Asa Sul, Brasília-DF – CEP: 70200-003
Telefone: (61) 3225-0019
Celular: (61) 9.8419.0385
E-mail: presidenciasbra@gmail.com