Criança nascida por Fertilização in Vitro no Brasil marcou o primeiro caso na América Latina e abriu espaço para os avanços que preparou o caminho para as possibilidades de hoje 

02 de janeiro de 2018

O Brasil foi pioneiro na América Latina no uso Fertilização in Vitro (FIV), com o nascimento da Anna Paula Caldeira em 1984. A criança, que veio ao mundo seis anos depois do primeiro relato de nascimento por meio da reprodução assistida no mundo, é considerada a 700ª gerada por meio desse método. A partir desse primeiro procedimento, os avanços tecnológicos permitem cada vez maiores taxas de sucesso no País. É o que indica os dados mais recentes do Relatório do Sistema Nacional de Produção de Embriões (SisEmbrio), elaborado pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa). 

Beber mais do que duas doses de bebida alcoólica por dia podem afetar a qualidade do esperma do homem e afetar a fertilidade da mulher de diferentes maneiras

 

26 de dezembro de 2017

O consumo regular de bebida alcoólica deve ser evitado por casais que desejam engravidar. Isso porque, mais do que duas taças de vinho ou latas de cerveja por dia pode afetar as chances de gravidez espontânea e de gestação por tratamentos de reprodução assistida. A indicação se estende para a mulher durante a gravidez e o período de amamentação. 

De acordo com Giuliano Bedoschi, ginecologista e obstetra creditado pela Sociedade Brasileira de Reprodução Assistida, estudos demonstram que mulheres que consomem mais do que duas doses de bebida alcoólica por dia apresentam maiores taxas de infertilidade. “O risco de infertilidade aumenta aproximadamente 60% nesses casos. Por isso, a mulher que está pensando em engravidar deve evitar o consumo de bebidas alcoólicas por pelo menos três a seis meses antes da gestação ou do tratamento de reprodução assistida”, indica.

Métodos de reprodução assistida auxiliam na correção de possíveis riscos causados pela cesárea em mulheres que querem aumentar a família

18 de dezembro de 2017. Os dados mais recentes do Ministério da Saúde revelam que dos 3 milhões de nascimentos no Brasil, 55,5% foram cesáreas e 44,5% partos vaginais. A escolha da via de parto deve ser realizada junto ao obstetra, considerando questões como a segurança e saúde da mãe e do filho, além da possibilidade de aumentar ainda mais a família. Isso porque, apesar de incomum após uma única cesárea, a cirurgia recorrente pode afetar a fertilidade da mulher e dificultar gestações futuras. 

Com muito pesar, comunicamos o falecimento de Maria Decat de Moura, sócia da Sociedade Brasileira de Reprodução Assistida (SBRA) e membro do Conselho Editorial do Jornal Brasileiro de Reprodução Assistida (JBRA). 
Psicóloga, psicanalista, Doutora pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) e mestra em Psychologie Psychopathologie Subjectivité et Langage pela Université Louis Pasteur, na França, Marisa Decat de Moura foi sócia-fundadora, presidente e membro do Conselho Consultivo da Sociedade Brasileira de Psicologia Hospitalar (SBPH).
Em sua longa e exitosa trjetória, também exerceu o cargo de Coordenadora da Clínica de Psicologia e Psicanálise do Hospital Mater Dei/MG, foi membro e representante no Brasil da Federação Européia de Psicanálise (FEDEPSY), coordenadora do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu, Especialização em Psicologia Hospitalar e da Saúde pela Fundação Mineira de Educação e Cultura (FUMEC/MG)
"Mulher valente, de inteligência fina e mente fértil, Marisa publicou cinco livros sobre Psicanálise e Hospital, militou na Reprodução Assistida. Tive a honra de ser sua orientadora no Doutorado sobre a Função Paterna na RA, o que nos rendeu várias publicações, inclusive o livro 'Vivências em Reprodução Assistida, o Dito e o Não-dito', comenta a ginecologista certificada em RA e membro da SBRA, Maria do Carmo B. Souza.
Em nome de todos os associados da SBRA, lamentamos a partida da Dra. Marisa Decat de Moura e enviamos nossas condolências a todos os seus familiares e amigos.